Carregando
HiruBlog
 
Outras Dicas
Primeiros socorros em acidentes domésticos

Não passe sufoco na hora do desespero.

Não somos capazes de prever todos os acidentes, mas isso não significa que não podemos evitar a maioria deles. Se adotarmos práticas, como guardar medicamentos, material de limpeza e utensílios domésticos fora do alcance das crianças ou apostar em móveis livres de pontas e nos atentarmos às escadas, a porcentagem de acidentes serão reduzida.
Todo cuidado é fundamental pois, segundo dados do Ministério da Saúde do Brasil de 2012, 3.142 mortes e mais de 75 mil hospitalizações ocorreram em crianças na faixa etária de zero a nove anos devido a acidentes, caracterizando assim um grave problema de saúde pública.
De acordo com o livro “Mapeamento da Ação Finalístico Evitando Acidentes na Primeira Infância, do Plano Nacional da Primeira Infância (PNPI, 2014), entre os bebês que ainda não completaram o primeiro aniversário até os 9 anos, a porcentagem de acidentes é representada por acidentes de trânsito (33%), afogamento (23%), sufocação (23%), queimaduras (7%), quedas (6%) e outros (6%).
Se você tem filho pequeno em casa, leia as dicas a seguir e saiba como agir em situações de perigo:

– Queimaduras
Verifique a gravidade da situação e jamais use qualquer receita caseira para tratar uma queimadura. Se forem causadas por líquidos quentes ou produtos químicos, o correto é deixar o ferimento sob água corrente até que a área queimada seja resfriada. Se a queimadura for grave, envolva a região afetada em um pano limpo e molhado com água fria e leve seu filho ao hospital.
No caso dos bebês, a maioria das queimaduras acontece durante o banho. Para assegurar que a temperatura da água estão boa, coloque primeiro uma quantidade fria e vá temperando com outra quente, testando a temperatura com a mão ao movê-la em toda a banheira.
A queimadura também pode acontecer pela ingestão de lí­quidos muito quentes. O leite pode ser dado à criança em temperatura ambiente, nem quente nem frio. Mas, se preferir esquentá-lo um pouco, pingue no antebraço ou dorso da mão para saber se não há risco de queimaduras para a boca e garganta do bebê.

– Quedas e cortes
Crianças são propensas a cair da cama, da cadeira ou do topo do escorregador, que normalmente possuem altura maior que 1,5m. Caso isso aconteça, mesmo não apresentando sintomas aparentes como ossos quebrados e fraturas expostas, vão para o hospital. Independente se ele tenha caído em solos que “amortecem” a queda como grama, areia ou piso emborrachado.
Se for um bebê, leve-o com urgência.
Em casos de cortes, quando pequenos, lave o local com água e sabão para higienizar a área. Se sangrar, comprima o local com um pano limpo e seco. Em casos de ferimentos graves, siga direto para o hospital.

– Choques elétricos
Antes de interromper o contato da criança com os fios/ tomada, desligue a chave geral do local. Lembre-se de manter a calma e não tocar na criança até que a corrente elétrica seja desligada. Se encostar enquanto a descarga estiver sendo transmitida, também levará choque e não poderá ajudar.
Se não houver a possibilidade de desligar a energia, remova o fio com um cabo de vassoura, tapete de borracha ou qualquer outro objeto isolante.
Logo após, leve seu filho ao hospital para analisar possíveis queimaduras e danos internos. Qualquer choque elétrico, por mais simples que possa parecer, aí potencialmente grave, podendo gerar parada respiratória, fibrilação ventricular e parada cardíaca.

– Asfixia, engasgo e sufocaçãoo
Em geral, o objeto será expelido naturalmente pela tosse. Caso isso não aconteça, posicione-se atrás da criança, de joelhos. Mantenha uma das mãos fechada sobre a chamada “boca do estómago” e com a outra mão, comprima a primeira para dentro e para cima, como se quisesse levantar a vítima do chão.
No caso de bebê, posicione-o de bruços em cima de seu braço e efetue cinco compressões no meio das costas. Vire-o de barriga para cima em seu braço e efetue cinco compressões sobre o meio do peito, na altura dos mamilos. Tentar visualizar o corpo estranho e retirá-lo delicadamente. Se não conseguir, repetir as compressões até a chegada a um serviço de emergência.
Se a criança ou o bebê estiverem inconscientes, procure socorro médico imediato.
Intoxicações e envenenamentos
O principal motivo para manter produtos de limpeza e remédios longe das crianças aí pela grande chance de envenenamento.
Se ingerida a substância, não ofereça água, leite ou qualquer outro líquido. Transporte a criança imediatamente até o hospital em posição lateral, a fim de evitar a aspiração de vómito.
Se atingir a pele, lave abundantemente o local afetado com água corrente. Leve a criança ao hospital para uma avaliação médica.
Por fim, se a criança inalar qualquer substância tôxica, leve-a diretamente para o hospital.

– Veículos
Automóveis podem ser inimigos quando se tem um filho, então a melhor maneira de protegê-lo é usar cadeiras apropriadas para o transporte e garantir que ele se encontre preso corretamente.
Existem tipos especí­ficos de assento para cada idade e devem ser instalados no banco traseiro do veículo. Até pelo menos 1 ano de idade, o bebê viaja de costas, pois, a posição protege a cabeça e a coluna vertebral, o que impede que a criança seja lançada para fora do carro.
De acordo com dados levantados pela ONG Criança Segura, se corretamente instaladas, as cadeirinhas de carro podem evitar cerca de 70% dos acidentes.

Hirudoid® reduz os hematomas, diminuindo a inflamação e aliviando a dor.

Referências:
Bula do Hirudoid®.

Rede Nacional Primeira Infância – Projeto observatório da primeira infância. Evitando acidentes na primeira infância. São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências – Portaria MS/GM n.º 737 de 16/5/01. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de vigilância do âmbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do âmbito infantil e fetal. abr. 2009. 80 p. Livrotab, graf.(A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Macagnan, M. Acidentes domésticos com crianças. Disponí­vel em: . Acesso em: Janeiro/2018

Verdélio, A. Medidas preventiva podem evitar 90% dos acidentes com crianças. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Portal Brasil. Acidentes domésticos ainda são principal causa de morte de crianças até 9 anos. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Criança Segura Brasil. Como prevenir acidentes de trânsito. Disponí­vel em: . Acesso em: Janeiro/2018

Criança Segura Brasil. Veja qual é o tipo de cadeira de segurança mais adequado ao peso e idade da criança. Disponí­vel em: < http://criancasegura.org.br/wp-content/uploads/2016/11/cartaz.pdf>. Acesso em: Janeiro/2018

Criança Segura Brasil. Como prevenir envenenamento e intoxicação. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Criança Segura Brasil. Como prevenir quedas. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Criança Segura Brasil. Como prevenir sufocação e engasgamento. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Sociedade Brasileira de Queimaduras. Primeiros socorros e cuidados. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

BabyCenter Brasil. Queimadura em crianças: o que fazer. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

BabyCenter Brasil. Saiba tudo sobre as cadeirinhas de carro. Disponível em: < https://brasil.babycenter.com/a1500828/saiba-tudo-sobre-as-cadeirinhas-de-carro>. Acesso em: Janeiro/2018

Tenente, L. Queimaduras: bebês de 1 ano têm 10 vezes mais risco de sofrer esse acidente. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Paulis, M. O que fazer quando a criança cai e bate a cabeça?. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Monteiro, L. Como agir em acidentes domésticos com crianças. Disponível em: < https://bebe.abril.com.br/saude/primeiros-socorros-como-agir-em-acidentes-domesticos-com-criancas/>. Acesso em: Janeiro/2018

Carpegiani, F. O que fazer se a criança se cortar. Disponível em: < http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2013/07/o-que-fazer-se-o-seu-filho-se-cortar.html>. Acesso em: Janeiro/2018

Hospital Santa Lúcia. Engasgo. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018.

UNESP. Riscos da eletricidade. Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018.

VIVID – Saúde e Vaidade. Queimaduras elétricas, o que fazer?.  Disponível em: . Acesso em: Janeiro/2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quer consultar
a bula completa?